Estudo da Organização Mundial da Saúde avalia o impacto ocupacional do câncer de pele

Um em cada três óbitos por câncer de pele foi causado pela exposição à radiação ultravioleta em atividades laborais ao ar livre

by Voz Comunicação

Durante o verão, as temperaturas aumentam e, neste período, é necessário intensificar os cuidados com a pele. Um documento divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em novembro alertou para o impacto ocupacional do câncer de pele: um em cada três óbitos pela doença foi causado pela exposição à radiação ultravioleta em atividades laborais ao ar livre. O estudo mostrou ainda que, em 2019, 1,6 bilhão de pessoas no mundo exerciam funções diretamente sob o sol; e no Brasil, 2,4 trabalhadores formais em 100 mil atuavam nesta situação no ano pesquisado.

Segundo o biomédico Fredson Serejo, a exposição ao sol por tempo prolongado e sem proteção representa um alto risco. “Os raios ultravioletas (UV) podem estragar a pele de um jeito que não dá para regenerar, causando envelhecimento rápido, queimaduras e até câncer de pele. Se a exposição for longa e sem proteção, pode danificar as células e fazer os tumores aparecerem”, aponta.

De acordo com o professor de Biomedicina da Estácio, os tipos principais de câncer de pele no Brasil ligados ao sol são: o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma.

“O carcinoma basocelular é o mais comum e se parece com uma ferida pequena na pele ou uma pinta perolada. O carcinoma espinocelular é parecido com uma ferida que não sara e pode ter casquinhas ou escamas. O melanoma é o mais perigoso e pode surgir de uma pinta já existente ou como uma nova lesão, com cores diferentes, bordas irregulares e tamanho maior”, explica o biomédico especialista em estética.

O profissional alerta sobre a atenção aos casos de mudanças na cor da pele e nas pintas do corpo (tamanho, cor, bordas ou evolução). “Este tipo de atenção é importante para notar os primeiros sinais de câncer de pele. Além disso, ir ao dermatologista regularmente é fundamental para verificar qualquer alteração na pele. Descobrir cedo aumenta muito as chances de tratar e curar”, diz.

O mestre e doutor em Biofísica destaca como crucial o uso de proteção solar, mesmo em momentos em que não há a exposição direta ao sol e até em dias nublados. Fredson Serejo dá mais algumas dicas de prevenção e proteção diária.

“Use chapéus ou bonés com abas largas para proteger o rosto, orelhas e couro cabeludo; roupas leves e de tecidos fechados, como algodão, também ajudam a se defender dos raios UV; além de óculos com proteção UV, que protegem os olhos e a pele ao redor. Tente ficar na sombra, especialmente das 10h às 16h, quando o sol é mais forte. Evite as câmaras de bronzeamento, pois elas podem ser tão ruins quanto o sol de verdade. Se mantenha hidratado, bebendo água regularmente, isso também é importante”, orienta.

Como escolher o protetor solar

Com muitas opções nas lojas, muitas pessoas se sentem confusas na hora de escolher o protetor solar para o rosto ou para o corpo. Fredson explica que ambos precisam proteger contra os raios UVA e UVB.

“Mas a pele do rosto é mais sensível e pode ter acne, então pode precisar de um tipo diferente. Os protetores solares para o rosto costumam ter texturas mais leves e menos propensas a entupir os poros. Às vezes, têm ingredientes bons para a pele do rosto, como antioxidantes ou hidratantes. Isso ajuda a evitar problemas em peles sensíveis ou com acne. Os que dizem “oil-free” ou feitos especialmente para o rosto são ótimas opções”, explica.

Para o corpo, o biomédico diz que um protetor solar comum fará sua função, sendo mais importante o seu uso de forma correta. “Isso significa passar o protetor e reaplicar a cada duas horas, especialmente depois de nadar, suar ou se secar com toalha. E sobre o FPS, descrito nas embalagens, ele mostra o quanto o protetor solar bloqueia os raios UVB: o FPS 30 bloqueia 97%, o FPS 50 bloqueia 98%, o FPS 70 bloqueia de 98,5% a 99%, e o FPS 100 bloqueia quase 99,9%. A diferença entre FPS 50 e 100 é bem pouca na prática. O mais importante é usar do jeito certo, não importa o número que você escolhe”, orienta o professor da Estácio.

Sobre a quantidade certa de protetor, o profissional explica que o recomendado para o rosto é a medida de uma colher de chá, suficiente para cobrir o rosto, pescoço e orelhas. Já para o corpo a medida é de uma colher de sopa para cada braço, perna, tronco e costas.

“A proteção solar é importante para todo tipo de pele e de qualquer cor. Lembrar da importância da proteção solar é um cuidado diário com a saúde da pele, importante em qualquer estação do ano. Cuidar da pele é investir na saúde”, finaliza o biomédico.

Related Posts

Leave a Comment